História: Jaime Müller lança valiosa obra de resgate histórico da Igreja Matriz e Paróquia Santo Antônio | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

História: Jaime Müller lança valiosa obra de resgate histórico da Igreja Matriz e Paróquia Santo Antônio

História:   Jaime Müller lança valiosa obra de resgate histórico da Igreja Matriz e Paróquia Santo Antônio

O historiador Jaime Nestor Müller acaba de lançar uma importante obra histórica de resgate cultural da Paróquia Santo Antônio e da Igreja Matriz. A publicação, de 749 páginas, é ilustrada com 449 fotos, sendo que apenas 80 são em preto e branco.
Jaime, um verdadeiro repórter investigativo, mergulhou fundo na história dos 254 anos da paróquia e nos 170 anos da Igreja Matriz, desde que a obra foi projetada em 1847, paralisando em 1879. Houve um hiato de 76 anos, até que em 1925, por influência do Pe. Isidoro Reska, a construção recomeçou se estendendo até sua conclusão e inauguração em 25 de novembro de 1928, mas ainda sem a torre.

COMO A OBRA COMEÇOU

Jaime relata que começou as pesquisas em 2003, com as investigações sobre as origens inciadas em 2011. A montagem da obra iniciou há seis anos. Ele conta que coletou inúmeros documentos, realizou dezenas de entrevistas, recebeu fotos verdadeiramente inéditas que podem ser vistas na mais completa obra sobre as origens da paróquia e Igreja Matriz até então conhecidas.

NÚMERO LIMITADO

A impressão foi feita pela Editora Evangraf, de Porto Alegre. Müller salienta que, pelo alto custo da obra, foram impressos apenas 40 volumes, a serem destinados a entidades, museus, escolas, etc.
O livro relata desde a construção da capela curada em 1760, até os dias atuais.
Há dois prefácios, um, do historiador Fernando Lauck e o outro, de Renato José Lopes, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Santo Antônio.

CURIOSIDADES

Existem dezenas de fatos curiosos nas 749 páginas, como a dos blocos de 3 metros de comprimento que eram transportados através de carretas até a igreja. Duas portas frontais do templo foram transportadas de Porto Alegre em duas viagens até Santo Antônio.

CÂNDIDO DE BARROS

Cândido de Barros, patrono de Colégio do mesmo nome, estabeleceu em seu testamento que pretendia ser enterrado ao lado da Igreja Matriz, mas seu corpo (e Jaime descobriu isso), está sepultado no cemitério da Santa Casa, em Porto Alegre.
O Padre Isidoro Reska tomou a frente de uma campanha para coleta de recursos visando a continuidade das obras de construção da Igreja Matriz e foi isso que ocorreu. No entanto, não conseguiu ver a igreja com a torre construída porque faleceu bastante jovem. Seu nome hoje está na rua que parte da Igreja Matriz em direção à Avenida Borges de Medeiros.

DOCUMENTO VALIOSO

A obra é um documento muito valioso e que vai servir de referência às gerações futuras, sempre que forem feitas pesquisas a respeito do passado patrulhense que ficou alicerçado a partir do instante em que foi construída a Capela Curada em 1760.

PRESENTE

Esta semana, Jaime Müller esteve na redação da Folha Patrulhense para fazer a entrega de um dos volumes ao diretor-presidente do Grupo 2M, empresário Moacir Menezes, e ao corpo de funcionários do Jornal para leitura e pesquisas.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *