Medicamento anti-HIV estará disponível em abril | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Medicamento anti-HIV estará disponível em abril

Medicamento anti-HIV estará disponível em abril

Medida é destinada a grupo prioritário e tem o objetivo de diminuir a infecção pelo vírus. | SES/Divulgação

A partir de abril, o Serviço de Atendimento Especializado (SAE) de Gravataí passará a oferecer o medicamento para a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), usado para a prevenção ao vírus HIV. De acordo com a coordenadora do SAE, Tatiane Cristina da Silva, a medida faz parte de uma estratégia de prevenção combinada que visa a diminuição da infecção ao vírus. “O medicamento é direcionado a uma população vulnerável, composta por casais soros diferentes, quando um possui o HIV e o outro não, e por profissionais do sexo, travestis e transsexuais, além de homens gays que possuem relações sexuais”, explicou a coordenadora nesta quarta-feira. Para ela, o medicamento oferece a chance para esta população ter autonomia para cuidar da própria saúde.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), os usuários do SUS interessados em receber o medicamento passam por uma avaliação, com testagem e aconselhamento, para orientação sobre o uso ou não do medicamento. “A prescrição faz parte de um programa que envolve vínculo e acompanhamento clínico por parte de uma equipe de saúde do município. Porém, existem casos em que só podem ser utilizadas outras estratégias para prevenção, variando conforme as condições clínicas de cada pessoa”, diz o órgão. Em Gravataí, o SAE está localizado na Rua Ernesto Fonseca, número 35, no Centro.

Para a coordenadora da Política de IST/Aids da SES, Ana Lúcia Baggio, as outras formas de prevenção ao vírus também devem ser utilizadas. “O PrEP chega como mais uma alternativa. Porém, as demais opções, como o uso do preservativo, são fundamentais”, disse. Segundo ela, o uso correto do medicamento reduz o risco de infecção por HIV em mais de 90%.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, o medicamento é enviado pelo Ministério da Saúde ao RS desde janeiro de 2018. Além de Gravataí, o tratamento já está disponível nos municípios de Caxias do Sul, Lajeado, Novo Hamburgo, Rio Grande, Santa Rosa, São Leopoldo, Sapucaia do Sul e Porto Alegre. As cidades de Canoas, Pelotas e Viamão serão as próximas a oferecer o medicamento. Os moradores de Cachoeirinha interessados no PrEP devem procurar o Hospital Sanatório Partenon, em Porto Alegre. Para que o município passe a oferecer o serviço, é necessário que a prefeitura procure a SES.

HIV, Aids e a diferença entre ambos

De acordo com material do Ministério da Saúde, o HIV é um retrovírus, classificado na subfamília dos Lentiviridae, e é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST). Já a Aids é a doença causada pela infecção do HIV. O vírus ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. De acordo com o médico infectologista e coordenador do Núcleo de Vacinas do Hospital Moinhos de Vento, Paulo Gewehr, viver com Aids é diferente de conviver com o vírus HIV. “A Aids é o estágio mais avançado desta infecção, porque o vírus, ao destruir as células de defesa, deixa o organismo mais vulnerável a diversas doenças. De um simples resfriado a infecções mais graves, como a tuberculose, o indivíduo com Aids corre riscos maiores de ficar doente, além de aumentar a chance de desenvolver vários tipos de câncer”.

Vale do Gravataí entre as regiões com o maior índice de HIV do Estado

De acordo com dados do Boletim Epidemiológico de HIV/Aids de 2017, divulgado no ano passado pela SES, 18,9 mil casos de infecção pelo HIV foram registrados no Estado entre janeiro de 2007 e junho de 2017. Destes, 35% estavam concentrados na região da Capital e do Vale do Gravataí. Ainda conforme o Boletim, o Brasil registrou 194,2 mil casos, enquanto que a região Sul teve 40,2 mil registos do vírus. De acordo com a SES, “nos últimos anos o RS figura sistematicamente entre os primeiros estados do Brasil em casos de Aids, com taxas de detecção do HIV muito superiores à média nacional”.

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *