Famílias da segunda fase do Residencial Breno Garcia começam a se mudar | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Famílias da segunda fase do Residencial Breno Garcia começam a se mudar

Famílias da segunda fase do Residencial Breno Garcia começam a se mudar

O dia 8 de outubro foi de recomeço para 884 famílias do município de Gravataí. Elas fazem parte da segunda fase de entrega das casas do Residencial Breno Garcia, na Estrada Arthur José Soares, parada 103 da ERS-030. O Prefeito Marco Alba fez a entrega das chaves para os primeiros moradores na manhã desta terça-feira. O cadastro, organizado pela Secretaria Municipal de Habitação, Saneamento e Projetos Especiais (SMHSPE), contempla 1.013 famílias. Destas, 129 ainda precisam assinar o contrato com a Caixa Econômica Federal para realizarem a tão sonhada mudança.

Com um sorriso no rosto e o pedido de que os moradores entrassem em seus novos lares com o pé direito, o prefeito Marco Alba destacou que esta é a conclusão de um projeto muito especial. “Tivemos todo o cuidado para que essas famílias tenham o mínimo de dignidade. As casas são boas e a infraestrutura do local é completa. O residencial tem unidade de saúde, escola construída pela Prefeitura e linhas de ônibus. Quem mora aqui agora pode dizer que é o dono do seu próprio nariz. Ninguém mais paga aluguel ou vive em zona de risco. Ver a felicidade destas famílias nos mostra que estamos no caminho certo e que realizamos uma administração realmente comprometida com as pessoas.”

Marco Alba ainda destaca que o município fez toda a sua parte e que fará mais. “Nós assumimos dois pontos que eram do governo do Estado. A pavimentação da Estrada Arthur José Soares que devemos concluir ainda este mês e a rótula de acesso na parada 103 da ERS-030. Esta, devemos iniciar a obra no início do ano que vem.” Há ainda a demanda da construção de pelo menos uma escola estadual para atender aos moradores do Breno.

Vida nova
Juliana Gonçalves de Lima, de 19 anos, realizou o sonho da casa própria. A jovem, que recebeu a chave das mãos do prefeito Marco Alba, vai morar sozinha e tem planos para o futuro. “Quero fazer a minha vida, começar uma nova fase. Agora tenho meu canto, é hora de ter mais responsabilidade. Vou terminar os estudos e, a partir de hoje, tudo vai dar certo. É a primeira noite na casa nova e de uma vida nova”, contou Juliana.

Maria Roseli da Silva Soares, 53, ex-moradora do Bairro Rondon, comandava a mudança e cuidava dos móveis que desciam do caminhão, queria tudo no lugar certo. “Vou morar aqui com meu marido, minha filha e a nossa netinha, a Melissa, que tem seis meses. Chega de pagar aluguel. Nossa independência começa hoje. Queremos dar um futuro para a Melissa, um lugar onde ela possa crescer bem”, disse.

Para Shirley Martins, de 35 anos, a mudança é um sonho. A auxiliar de serviços gerais contou que vivia de favor na casa de um parente. “Esse momento muda tudo, eu e meu marido planejamos muito o dia que teríamos nossa casa. Pensamos muito no futuro dos nossos três filhos, em deixar alguma coisa para eles. Agora que estamos aqui é só alegria, podemos aproveitar a nossa casa nova”, falou.

“Estou cansada de fazer a mudança, mas estou feliz com a realização desse sonho. Só tenho a agradecer. Adorei a minha casinha, saí do aluguel. Esse é um espaço digno, onde vamos recomeçar”, contou Anilda Lopes dos Santos, de 47 anos. Ela, que era moradora da Vila Natal, se mudou para o Residencial com o marido e os dois filhos.

O residencial
Localizado na Estrada Arthur José Soares, parada 103 da ERS-030, as moradias têm 40,73 metros quadrados. O espaço é dividido em dois dormitórios, banheiro, cozinha sala de estar e área de serviço externa.
Na segunda fase foram beneficiadas 1.013 famílias, sorteadas pela Caixa, a partir de cadastro organizado pela Prefeitura, através da Secretaria de Habitação, Saneamento e Projetos Especiais (SMHSPE).
A primeira fase, entregue no início deste ano, beneficiou 1.012 famílias que faziam parte da chamada demanda fechada, organizada a partir de cadastro organizado em parceria com o Senac. Eram residentes em áreas de preservação permanente, alagadiças ou de leito viário situadas nos bairros Ambrozina, Caça e Pesca, Vila Imperial, Itatiaia, Jardim das Palmeiras, Padre Réus, Parque da Lagoa, Travessa Savana, Cegonheiros, Heineken, Xará, Vila Rica, Parque dos Anjos (ponte), além daquelas que estavam com aluguel social municipal ou estadual.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *