Trensurb estuda construção de linha para atender Gravataí e Cachoeirinha | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Trensurb estuda construção de linha para atender Gravataí e Cachoeirinha

Trensurb estuda construção de linha para atender Gravataí e Cachoeirinha
Segundo diretor-presidente da empresa, projeto ainda é “um sonho”. Custo total estimado, envolvendo outros quatro municípios, é de aproximadamente R$ 12 bilhões. | Foto: Wellington Marques/Trensurb

A Trensurb está estudando a criação de uma nova linha para atender os municípios de Gravataí e Cachoeirinha. De acordo com o diretor-presidente da empresa, David Borille, a primeira fase dessa expansão, chamada de Linha 2, iria da região da Azenha, em Porto Alegre, passando pelo Terminal Triângulo e pela Fiergs, ainda na Capital, e chegando ao município de Cachoeirinha. Ao todo, o trecho representaria 23,6 quilômetros de trilhos e 20 novas estações. Já em uma segunda fase, a Linha 2 passaria por Cachoeirinha e chegaria até Gravataí – em um trajeto de 12,3 quilômetros e oito estações. Tanto em Gravataí quanto em Cachoeirinha, as linhas seriam construídas em via elevada. Os locais exatos das linhas em cada cidade ainda não foram divulgados. 

“Se verificou que o corredor em direção a Cachoeirinha e Gravataí merece um atendimento em cima da demanda que tem, pois esse eixo cresceu de importância com a vinda da General Motors. Detectamos que é preciso organizar o transporte dessa região e, a partir disso, foi pensada uma expansão a partir do Terminal Triângulo”, disse Borille nesta segunda-feira. Segundo ele, a região tem uma demanda diária de 70 mil pessoas em direção a Porto Alegre, que seriam “passageiros em potencial” para o trem.

No mesmo estudo, a Trensurb também projeta a expansão de seus serviços aos municípios de Alvorada, Campo Bom, Sapiranga e Triunfo. Segundo a empresa, o custo total estimado para o projeto atualmente é de US$ 3,3 bilhões (cerca de R$ 12,3 bilhões, pela cotação atual), e ainda não tem data para ser iniciado. “Dependeria de uma Parceria Público-Privada (PPP) para ser executado. Vislumbramos a possibilidade de fazer essa parceria, para que o estudo deixe de ser um sonho e passe a ser, lá na frente, algo que possa acontecer de fato”, disse Borille.

Como benefícios, a Trensurb cita que os projetos estudados “significariam 51 novas estações, mais 83,7 quilômetros de via em adição aos atuais 43,8 quilômetros e 23 estações”. Além disso, a empresa sustenta que a medida reduziria em cerca de 8 mil o número de viagens diárias de ônibus ao Centro de Porto Alegre, em aproximadamente 3 mil toneladas a emissão anual de poluentes e em 13,8 mil o número potencial de acidentes de trânsito. Com a conclusão dessa expansão, a Trensurb estima uma demanda de 430 mil passageiros por dia na Linha 2 e 220 mil na Linha 1.

Atualmente, a população dos municípios atendidos pela Linha 1 da Trensurb é de cerca de 2,5 milhões de habitantes – número que, com a expansão, cresceria para aproximadamente 3,3 milhões de pessoas. No momento, a empresa atende os municípios de Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo. Criada em 1980, a Trensurb é uma empresa pública, vinculada ao Governo Federal, e tem por acionistas a União, o Estado do RS e o município de Porto Alegre.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *