ERS-118 | Trecho de Gravataí estará pronto até o final do ano, diz superintendente do Daer | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

ERS-118 | Trecho de Gravataí estará pronto até o final do ano, diz superintendente do Daer

ERS-118 | Trecho de Gravataí estará pronto até o final do ano, diz superintendente do Daer
Apesar da promessa, engenheiro afirma que as condições climáticas serão determinantes para o cumprimento do prazo. | Foto: JG 

Iniciada há mais de dez anos, a duplicação de cerca de 22 quilômetros da ERS-118, no trecho compreendido entre o encontro com a BR-116, em Sapucaia do Sul, até o entroncamento com a BR-290, em Gravataí, parece estar próxima de ser concluída. Pelo menos é o que diz o superintendente do Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem (Daer), engenheiro Ernesto Luiz Vasconcelos Eichler, que disse acreditar que o trecho da Aldeia será entregue até o próximo mês de dezembro.

“A nossa previsão é de que a obra, em Gravataí, fique pronta entre os meses de setembro e dezembro deste ano. Sabemos que existem variáveis que podem prorrogar esse prazo, como as condições climáticas e a falta de material”, explicou o engenheiro, que citou um exemplo de falta de recursos materiais ocorrido recentemente na obra. “A refinaria da Petrobras não nos entregou o material asfáltico de que necessitávamos. Não sei por que isso aconteceu. Mas essas coisas colaboram para o atraso do cronograma”, lamenta Eichler.

Conforme o supervisor de obras da construtora Sultepa, Auri Tartari, as principais ações no trecho de Gravataí são a execução das placas de concreto na pista nova, a restauração da pista antiga e as ruas laterais. “Agora, estamos colocando a base e a sub-base na pista duplicada, para depois aplicarmos o concreto compactado a rolo. Feito isso, passaremos a restaurar a pista ao lado, que ajudará na trafegabilidade dos motoristas”, disse ele, que garantiu que os trabalhos estão dentro do cronograma.

Questionado sobre a demora em finalizar a duplicação da rodovia, o engenheiro do Daer disse que esta é a primeira vez que um governo se dedica a dar prosseguimento aos trabalhos. “É uma obra muito cara e bastante complexa. Por ser uma duplicação, há o problema das reintegrações de posse, além de ter que cuidar da questão das calçadas”, justificou. Ao todo, o Executivo gaúcho afirma que mais de 14 frentes de trabalho estão em atividade na rodovia – executando a construção da pista nova, a restauração da antiga e a construção de viadutos e elevadas.

Investimento

Entre janeiro e março deste ano, o Piratini afirma que a ERS-118 recebeu o montante de R$ 16,7 milhões. O volume representa 41% do total investido nos serviços em 2017, que chegou a R$ 40,5 milhões. Desde 2015, o Estado já investiu R$ 42,8 milhões na duplicação da rodovia. Neste ano, a previsão orçamentária do governo para a obra é de R$ 150 milhões.

Viaduto Itacolomi

8

Foto: Palácio Piratini

Em relação ao viaduto sobre a Avenida Itacolomi, localizado no quilômetro 18,5 da rodovia, o superintendente do Daer afirmou que a expectativa é de que a utilização seja liberada para os veículos em meados de junho. As condições climáticas, segundo ele, poderão adiar o prazo. “No ano passado, a obra ficou parada por cerca de dois meses, devido a uma fiscalização de rotina do Ministério do Trabalho. Isso nos atrasou bastante. Agora, vamos começar a concretar o local, pois estamos quase no nível do pavimento”, contou. Desde o dia 5 de abril, a passagem de veículos por baixo do viaduto foi liberada.

Ao todo, serão gastos aproximadamente R$ 8 milhões com o viaduto, que possui uma estrutura de 202 metros de extensão. De acordo com o governo, para que o local seja liberado, é preciso

“concluir os acessos laterais da elevada, o batimento dos aterros para a implantação do concreto betuminoso usinado à quente e o plantio de grama”.

ERS-020

Ainda de acordo com Eichler, outro viaduto da região, localizado sobre a ERS-020, ficará pronto apenas no final do ano. “A Sultepa está trabalhando, fazendo os encontros. Se tudo der certo, o trecho será liberado junto com toda a obra em Gravataí”, informou.

Acessos fechados na Brasil

Foto 3

Foto: JG

Segundo o superintendente do Daer, os acessos da Avenida Brasil para a ERS-118, no quilômetro 19,4, interrompidos no dia 6 de abril, foram fechados para que os trabalhadores possam fazer a pavimentação no local. Segundo ele, a mudança é definitiva. “O tráfico melhorou nessa região. Além disso, essa alteração consta no projeto original. Os motoristas que pretendem atravessar a rodovia podem utilizar a passagem por baixo do viaduto da Itacolomi”, alertou.

“Sabemos que essas alterações refletem no dia a dia das pessoas e causam transtornos, mas solicitamos a compreensão e a consciência de que essas medidas irão trazer melhorias significativas a longo prazo”, disse o diretor-geral do Daer, Rogério Uberti.

“Demanda existe desde a década de 90”, afirma diretor do Daer

Rogério Uberti reconhece que as obras envolvendo a ERS-118 são uma demanda antiga de toda a população gaúcha. “Estamos comprometidos com as obras de duplicação. Todas as questões referentes a ERS-118 são tratadas como prioridade pela Diretoria-Geral e por todos os setores da instituição, a fim de serem solucionadas o mais rápido possível. Estamos trabalhando para agilizar a resolução dessa demanda, que existe desde a década de 90”, ressaltou o diretor-geral da autarquia.

Empresário comemora andamento das obras

Dono de um restaurante que fica às margens da rodovia em Gravataí, o empresário Valter Carboni, de 57 anos, disse que o longo período de obras na ERS-118 afeta seus negócios. “Trabalho aqui há mais de dez anos e a rodovia sempre esteve em obras. Isso é uma coisa que vem de vários governadores, e me afetou bastante financeiramente. Porém, esse é o momento que percebo o maior volume de obras e o maior número de gente trabalhando. Espero que, com a finalização da duplicação, os negócios voltem a prosperar”, afirmou Carboni.

Situação dos demais pontos da rodovia

Km 0 ao 5 (Lote 3) – É o trecho inicial da ERS-118, em Sapucaia do Sul. Está em processo de licitação. O objetivo do governo do Estado é a contratação de uma empresa para executar a duplicação do local. O trecho é considerado pelo Palácio Piratini como o mais atrasado entre os três lotes.

No último dia 26, a Central de Licitações do Estado divulgou o resultado da empresa vencedora da licitação para a construção do viaduto sobre a Avenida Theodomiro Porto da Fonseca. O consórcio formado pelas empresas Traçado e Tardelli será responsável pelos trabalhos na estrutura localizada na cidade.

O investimento por parte do governo para a obra de construção do viaduto, localizado entre os quilômetros 3,2 e 3,4 da rodovia, é de aproximadamente R$ 10 milhões. Ao todo, a estrutura terá 201,5 metros de extensão. “A expectativa é de que, nos próximos dias, consigamos finalizar

o contrato com a empresa e assiná-lo para dar início às obras o mais breve possível”, informa o Daer.

Km 5 ao 11 (Lote 2) – É o trecho de Cachoeirinha. Segundo o Palácio Piratini, mais de 80% do cronograma de obras do local já foi cumprido. No final do ano passado, o governo entregou o viaduto sobre a Avenida Ritter, no quilômetro 9,9. Entretanto, os viadutos da Avenida Marechal Rondon e da Transpetro ainda estão em fase de construção. De acordo com o engenheiro Eichler, as obras nesses locais deverão ser finalizadas até o mês de setembro.

Km 11 ao 22 (Lote 1) – É o trecho de Gravataí, que está em obras.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *