Em dez meses | Homicídios caem 59% em Gravataí | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Em dez meses | Homicídios caem 59% em Gravataí

Em dez meses | Homicídios caem 59% em Gravataí
Criação da nova Central de Videomonitoramento está entre as ações citadas pelo secretário para Assuntos de Segurança da Aldeia para a diminuição no índice. | Foto: PMG/Divulgação

Número representa 85 mortes a menos na comparação com o ano passado. Em relação aos latrocínios, queda foi de 50%.

O número de vítimas de homicídios caiu 59% em Gravataí nos dez primeiros meses deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Entre janeiro e outubro de 2018, a Aldeia registrou 58 mortes, contra 143 em igual período de 2017. Os dados, consultados na tarde desta terça-feira, estão disponíveis no site da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP-RS). Outro indicador criminal que teve redução no período diz respeito ao roubo seguido de morte. Neste ano, Gravataí registrou quatro latrocínios até o mês de outubro, contra oito no mesmo período de 2017 – representando uma diminuição de 50% no número de casos. Para o secretário de Assuntos para Segurança Pública de Gravataí, coronel Flávio Lopes, diversas ações contribuem para a obtenção de melhores índices de segurança.

“Todas as forças de segurança dão a sua contribuição. A Polícia Civil, por exemplo, tem feito um ótimo trabalho no sentido de identificar os criminosos e apontar ao Judiciário. Já a Brigada Militar, que recebeu um aporte no efetivo, tem desencadeado uma série de operações visando à diminuição da violência”, explicou Lopes. Em relação ao município, o secretário ressaltou os investimentos realizados. “A chegada de 44 novos guardas municipais nas ruas, que aumenta o nosso policiamento ostensivo, e a inauguração da nova Central de Videomonitoramento, com 318 câmeras, têm colaborado para a redução dos índices”, lembrou. Em 2018, a Secretaria para Assuntos de Segurança Pública teve um orçamento de aproximadamente R$ 15,5 milhões.

Cachoeirinha com redução semelhante

Em Cachoeirinha, a diminuição no número de vítimas de homicídios chegou a 55%. Nos dez primeiros meses deste ano, 20 vítimas foram contabilizadas no município, contra 45 em igual período do ano passado. Para o secretário de Segurança de Cachoeirinha, Marco Aguirre Gouvêa, a integração policial é o principal motivo para a redução nos homicídios. “Brigada Militar, Polícia Civil, Guarda Municipal e os agentes de trânsito vêm realizando ações conjuntas, possibilitando a troca de informações e facilitando o trabalho”, explicou Gouvêa. Além disso, o secretário citou o cercamento eletrônico e o monitoramento por câmeras como ações importantes na área da segurança.

Sobre investimentos, Aguirre salientou a aplicação de recursos oriundos de multas de trânsito na busca por mais segurança ao município. “Vamos equipar a Guarda Municipal e os agentes de trânsito com oito viaturas ao todo. O valor que vai ser investido tem origem nas multas aplicadas na cidade”, contou o secretário. As novas viaturas devem ser adquiridas pela prefeitura no primeiro trimestre do ano que vem.

O titular da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeirinha, delegado Leonel Baldasso, concorda que a integração das forças de segurança é a principal ação no enfrentamento aos homicídios. “As ações realizadas pela Polícia Civil, pela Brigada Militar e pela Guarda Municipal são importantes, na medida em que trabalham de forma conjunta”, disse.

O que pensa a população

WhatsApp Image 2018-11-27 at 16.36.32

População acha que a segurança pública pode melhorar. | Foto: Rodrigo Cassol

Apesar da diminuição no número de homicídios, a servidora pública Teresinha Silva, de 45 anos, acha que o policiamento pode ser melhorado. “Até vejo policiais dentro dos carros. Porém, acredito que, se eles estivessem caminhando, a sensação de segurança para a população seria ainda maior”, contou. Já o cabeleireiro Barton Trindade Alves, de 27 anos, disse que a segurança pública pode melhorar. “Ainda não vejo uma grande mudança em relação ao ano passado”, resumiu.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *