Atraso nas correspondências | “Há um déficit significativo de pessoal”, diz secretário do Sindicato dos Trabalhadores em Correios | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Atraso nas correspondências | “Há um déficit significativo de pessoal”, diz secretário do Sindicato dos Trabalhadores em Correios

Atraso nas correspondências | “Há um déficit significativo de pessoal”, diz secretário do Sindicato dos Trabalhadores em Correios

Em resposta, empresa afirma que “as entregas estão acontecendo normalmente nos municípios de Gravataí e de Cachoeirinha”. | Foto: EBC

Diversos moradores de Gravataí e de Cachoeirinha têm reclamado nos últimos dias de atraso, por parte dos Correios, na entrega de suas correspondências. O aposentado José Virgili, de 70 anos, é uma destas pessoas insatisfeitas com a demora no recebimento de suas contas. “Nos últimos dois meses, as correspondências estão chegando atrasadas aqui. Isso acontece com a conta de luz, de água e de telefone, além das contas das lojas. Estamos tendo que ir buscar as faturas, ou temos que arcar com os juros devido ao atraso”, reclamou o morador da Rua Dom Bosco, no bairro Santa Fé, em Gravataí.

Para o secretário de Imprensa do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos do RS (Sintect-RS), João Augusto de Moraes Gomes, a falta de trabalhadores é o principal motivo para o atraso nas entregas da região. “Infelizmente, essa demora vem se tornando uma situação comum em várias cidades do país. Aqui na região a realidade não é diferente. Isso acontece porque há um déficit significativo de pessoal”, explicou Gomes. Atualmente, cerca de 820 carteiros trabalham no Estado. De acordo com o sindicalista, seriam necessários outros 180 profissionais para reestabelecer os serviços de entrega.

“Hoje, em qualquer unidade de trabalho dos carteiros, é possível perceber o déficit de trabalhadores. Essa ausência não tem relação com a questão de falta ao trabalho ou de atestados médicos. Isso é falta de contratação. Para se ter uma ideia, o último concurso público realizado pelos Correios foi em 2011”, lamentou João. Ele lembrou, ainda, dos programas de demissão voluntária criados pela estatal. “A empresa tem demitido muitos funcionários. As pessoas sofrem com isso e o carteiro é quem acaba sendo cobrado pela população”, finalizou.

Correios afirma que não há atrasos em entregas da região

Através de nota enviada ao Jornal de Gravataí, a estatal afirma que “as entregas estão acontecendo normalmente nos municípios de Gravataí e de Cachoeirinha”. Além disso, a empresa diz que “houve significativo aumento do número de correspondências e encomendas a serem entregues neste início do ano, o que pode ter ocasionado demora em alguns locais”.

Para suprir a demanda de trabalho deste momento, a empresa informa que “as unidades dos Correios estão contando, quando necessário, com liberação de horas extras, apoio de empregados de outras unidades, mutirões aos finais de semana e contratação de trabalhadores temporários”, diz o texto.

Como reclamar

Os Correios esclarecem, ainda, que episódios pontuais de atraso na entrega de correspondências podem acontecer por diversos motivos e, para que a empresa consiga verificar cada caso, é importante que a população utilize os canais oficiais para registrar as reclamações e resolver possíveis dúvidas. A estatal disponibiliza o “Fale com os Correios”, no site www.correios.com.br, e a Central de Atendimento aos Clientes dos Correios (CAC), pelo telefone 0800 725 0100 (de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, e aos sábados, das 8h às 14h).




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *