À espera do Papai Noel | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

À espera do Papai Noel

À espera do Papai Noel

A técnica em radiologia Beatriz Consorte dos Reis (dir.) escolheu oito cartas na tarde desta sexta-feira. | Fotos: Rodrigo Cassol/JG

Campanha de adoção de cartinhas escritas por estudantes já começou na região.

“Tenho oito anos, e moro com a minha mãe e o meu padrasto. Gosto muito do Natal, porque é o nascimento de Jesus. Eu te amo, Papai Noel. Eu quero ganhar um boneco Ken e um lego”. Assim como fez esse estudante do segundo ano do ensino fundamental de uma escola de Cachoeirinha, outras cerca de 47 mil crianças de todo o Rio Grande do Sul escreveram uma carta ao ‘bom velhinho’ e estão esperando por uma resposta. É que, nesta sexta-feira, teve início em 87 cidades do Estado – incluindo Gravataí e Cachoeirinha – a campanha Papai Noel dos Correios, que permite que a população adote essas cartinhas e realize o desejo destas crianças. Na tarde desta sexta, das 160 cartinhas disponíveis na agência de Cachoeirinha que participa da ação, pelo menos 60 já haviam sido buscadas.

“Foi uma procura alta. Não estávamos esperando isso logo no primeiro dia. As 9h, quando abrimos as portas, já havia cinco pessoas esperando para fazer uma adoção”, contou a gerente da unidade da Vila Imbui, Franciele Radtke. De acordo com ela, nas semanas anteriores à ação já houve procura pelas cartas. “Chega o último trimestre do ano e o sentimento natalino aflora nas pessoas. Elas chegam aqui, leem as cartas, se emocionam e as levam para casa”, disse Franciele. Ela salientou a importância de adotar a cartinha e realizar o desejo da criança. “Tem gente que vem aqui devolver a carta. Muitas vezes, pela questão do tempo, essa mesma cartinha não consegue ser adotada por outra pessoa”, lembrou.

WhatsApp Image 2018-11-25 at 11.29.08

Ponto de adoção de cartinhas em Cachoeirinha fica na Avenida Flores da Cunha, 1330.

A técnica em radiologia Beatriz Consorte dos Reis, de 60 anos, escolheu oito cartinhas na tarde desta sexta-feira. “Selecionei quatro meninos e quatro meninas. Eu participo de um grupo, de oito pessoas, que realiza uma janta antes do Natal. Na oportunidade, distribuo as cartas e, antes do encerramento da campanha, vamos juntos fazer a entrega”, explicou a moradora de Cachoeirinha. Segundo ela, a maioria dos pedidos foi de bonecas, bola, skate e material escolar. “É gratificante ajudar. Graças a Deus, temos tudo o que precisamos. Então, fazer essa boa ação é a melhor coisa”, finalizou Beatriz, que participa da campanha há seis anos.

Os estudantes

Participam da campanha estudantes de escolas públicas que estejam cursando até o 5º ano do ensino fundamental, além de alunos de instituições parceiras, como creches, abrigos, orfanatos e núcleos socioeducativos. No ano passado, somente no Rio Grande do Sul, foram recebidas mais de 49 mil cartinhas. “Além de estimular as crianças a escreverem cartas, a Campanha dissemina valores natalinos, como a solidariedade. Em uma corrente do bem, empresa, empregados e voluntários da sociedade se juntam para, dentro do possível, atender aos pedidos de presentes daqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade social”, disse os Correios através de nota.

A parceria dos Correios com as escolas acontece por meio das secretarias estadual ou municipal de Educação – que selecionam as instituições participantes. O período de envio de cartas para esta edição da campanha, contudo, já está encerrado.

Baixo poder aquisitivo das famílias tem reflexo nos pedidos

De acordo com uma fonte que não quis se identificar, as pessoas dispostas a fazer uma adoção precisam estar cientes de que os pedidos são um sonho para as crianças. “Muitas vezes, as pessoas vêm adotar uma cartinha achando que o pedido das crianças será barato. Porém, em muitos casos, essas crianças são de famílias de baixa renda, e os pais delas não têm condições de dar grandes presentes. Por isso, é importante ter em mente que essas cartinhas podem vir com pedidos de maior valor”, disse a pessoa que não quis ser identificada. Para a fonte, a saída é que uma cartinha seja adotada por mais de uma pessoa.

Como e onde participar

Para participar da campanha, basta ir até uma unidade dos Correios inscrita na ação e selecionar uma ou mais cartinhas. O período de adoção vai até o dia 7 de dezembro – data limite, também, para a entrega dos presentes, que deve ser feita no mesmo local de retirada dos pedidos. No momento da entrega, é necessário levar junto o cabeçalho da carta. Posteriormente, os Correios realizam a distribuição dos presentes.

Em Cachoeirinha, a agência dos Correios participante da ação fica na Avenida General Flores da Cunha, número 1330, no bairro Vila Imbui. O horário de funcionamento do local é das 9h às 17h30. Na Aldeia, a agência que integra a campanha está localizada na Rua Anápio Gomes, número 1518, no Centro. A unidade funciona das 9h às 17h. Todos os locais participantes da campanha podem ser encontrados em blog.correios.com.br/papainoeldoscorreios.

A campanha

Criada há 29 anos, a campanha Papai Noel dos Correios nasceu através da iniciativa de alguns funcionários da empresa. Durante a rotina de trabalho, alguns dos empregados recebiam cartas escritas por crianças, destinadas ao Papai Noel, mas sem endereço. Sensibilizados com a situação, eles resolveram adotar as cartinhas e enviar os presentes. Com o passar do tempo, a ação foi ganhando proporção e acabou se transformando em um projeto corporativo dos Correios.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *